ABIGAIL, UMA MULHER INESQUECÍVEL

1 Samuel 25:1-35

 

Logo após o sepultamento de Samuel, o último juíz de Israel, Davi desceu para Parã, uma região desértica.

Ao chegar em Parã, ele e seus moços estavam exaustos, famintos e sedentos. Davi, então tinha um grande problema para resolver, estava no deserto e precisava arrumar comida e água para cerca de 600 homens.

Com toda certeza, Deus, vendo a aflição do coração de Davi, o fez saber que um homem chamado Nabal estava tosquiando as suas ovelhas no Carmelo, um vilarejo relativamente próximo ao local onde ele e seus homens se encontravam.

Ao saber disso, Davi se lembrou de que numa certa ocasião, Ele e seus moços haviam ajudado os pastores de Nabal, bem como haviam sido como um muro de proteção ao redor deles e do rebanho, protegendo-os de possíveis ataques de salteadores e animais ferozes do deserto.

À época da tosquia, era comum as demonstrações de generosidade aos pastores que eram servidos pelos seus patrões com muita fartura de comida e bebida. Davi, portanto, sabendo que Nabal e seus pastores estavam no Carmelo e lembrando-se desse fator cultural, decidiu enviar uma comitiva à Nabal afim de pedir ajuda.

Davi não conhecia Nabal, porém julgou que como havia sido generoso com os seus pastores, possivelmente Ele atenderia à seu pedido de ajuda com a mesma generosidade como um ato de retribuição.

Nabal era um pecuarista extremamente próspero materialmente, porém o texto bíblico o descreve como “Homem duro e maligno em todo o seu trato” (v.3). Sua esposa, Abigail, ao contrário dele, era uma mulher sensata, bela, generosa, sábia e possuidora de muitas outras virtudes.

Davi então decidiu enviar dez homens à Nabal com uma mensagem.

“Dá, pois, a teus servos e a Davi teu filho, qualquer coisa que tiveres a mão”. (1 Samuel 25: 8b)

Porém, conforme o texto nos mostra, a resposta que os homens de Davi receberam foi muito diferente do que esperavam. Nabal além de negar a ajuda, respondeu aos dez homens de maneira estúpida, grosseira e, como se isso não bastasse, ainda insultou Davi.

“Quem é Davi, e quem é o filho de Jesse? Muitos servos há hoje e cada um foge ao seu Senhor. Tomaria eu, pois, o meu pão, e a minha água, e a carne das minhas reses que degolei para os meus tosquiadores e o daria a homens que eu não sei de onde vêm?”  (1 Samuel 25:10,11)

Os homens enviados retornaram a Davi e relataram o que ouviram e como foram tratados.

A reação de Davi a resposta de Nabal não poderia ser outra senão ficar irado e profundamente indignado, pois além da ingratidão e mesquinhez com que foram tratados, ainda haviam sido desrespeitados e ofendidos. Nabal havia pago o bem que Davi havia lhe feito com o mal.

Davi então prepara-se para uma revanche. Imediatamente organiza o seu pequeno, porém ousado e corajoso exército de 600 homens. 400 homens furiososos e armados cada um com a sua espada, subiriam ao encontro daquele terrível homem, e 200 homens permaneceriam no acampamento com as bagagens. O plano era acabar com todos os do sexo masculino que estivessem na casa de Nabal (v.22).

Deus porém, na sua providência e infinita misericórdia, fez com que, um dos servos de Nabal, que havia estado entre os que receberam proteção e ajuda da parte de Davi e seus homens, imediatamente corresse e fezesse saber a Abigail, esposa de Nabal, o bem que Davi havia feito aos pastores e ao rebanho deste e também como Nabal havia respondido mal aos homens de Davi.

“Davi enviou do deserto uns mensageiros com saudações para o nosso patrão, mas ele os tratou mal. Aqueles homens, porém, nos têm sido muito bons, e nunca fomos agravados por eles e de nenhuma coisa sentimos falta em todos os dias de nosso trato com eles, quando estávamos no campo. De muro em redor nos serviram, tanto de dia como de noite, todos os dias que estivemos com eles apascentando as ovelhas”.( (I Samuel 25:14b, 15,17)

O servo presentiu no coração o que estava para acontecer, pois tendo recebido tanto bem das mãos de Davi e conhecendo a fama do seu exército, sabia que o mal já estava decretado sobre Nabal e a sua casa, porém acreditou que Abigail, admirada até mesmo por seus servos, poderia fazer algo para reverter àquela caótica situação.

Agora, pois, considera e vê o que hás de fazer, porque já o mal está, de fato, determinado contra o nosso senhor e contra toda a sua casa; e ele é filho de Belial, e não há quem lhe possa falar”. (Isamuel 25:17)

Aqui tem início a história de uma mulher inesquecível. Antes porém de meditarmos nessa história com profundidade, quero abrir um parêntese para explicar algo que considero essencial para compreendermos bem o que iremos estudar mais adiante.

Em 2 Coríntios 19:4 está escrito “Porque as armas da nossa milícia não são carnais, e sim poderosas em Deus, para destruir fortalezas.”

Isso quer dizer que:

1. Deus entregou armas poderosas em nossas mãos.

Uma arma não serve como objeto de decoração em uma casa, a arma serve para protegê-la do mal e para matar o inimigo, e uma das armas que Deus nos entregou foi a intercessão.

“Pedis e não recebeis, porque pedis mal.” (Tiago 4:3)

Quando falamos sobre intercessão, o nosso maior exemplo é Jesus. Ele é o intercessor que conquistou para nós todas as bênçãos nas regiões celestiais.

2.  Deus tem uma herança para cada uma de nós através de Jesus Cristo, mas somente tomaremos posse dessa herança com sacrifício.

Quando falo de sacrifício, não me refiro a qualquer esforço que possamos fazer para receber a salvação ou qualquer outro favor de Deus. Que tipo de sacrifício então é esse?

“Porque, onde há testamento, é necessário que intervenha a morte do testador; pois um testamento só é confirmado no caso de mortos; visto que de maneira nenhuma tem força de lei enquanto vive o testador”. (Hebreus 9:16,17)

Como vemos no verso acima, para que alguém tome posse de uma herança, é necessário que o testador morra.

Certa vez Deus me disse que eu precisa morrer para mim mesma. Que eu precisava renunciar e sepultar a minha vontade.

“Dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, dia a dia tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; quem perder a vida por minha causa, esse a salvará”. (Lucas 9:23,24)

Esse é o sacrifício que Jesus requer de nós, precisamos negar a nós mesmos.

Uma pessoa que consegue negar-se a si mesmo, será capaz de colocar-se na brecha em favor de alguém, de uma família, de uma igreja ou até mesmo de uma nação.

Tendo chegado a esse entendimento, vamos conhecer agora a história de Abigail.

1. Abigail aprendeu a difícil lição de negar-se a si mesma.

Por isso mesmo, ela foi usada por Deus para interceder por sua casa, por seus servos e por tudo quanto possuia. A Bíblia diz que ela se apressou, preparou um bom farnel, montou em um jumento e foi ao encontro de um exército de quatrocentos homens irados e armados usando apenas a arma da intercessão.

2. Abigail confiava em Deus, apesar das circunstâncias.

A Bíblia deixa claro como era o caráter do esposo de Abigail e em razão disso, a vida dela não era nada fácil. Tendo um esposo como Nabal, podemos imaginar que Abigail vivia num ambiente nada agradável. Ela convivia diariamente com a opressão, o mêdo, a vergonha e uma série de outros sentimentos que estam presentes em todoas as casas onde o chefe da família tem o coração duro, malígno e perverso.

Veja como a Bíblia descreve o caráter do esposo de Abigail.

“Nabal era o nome deste homem, e Abigail, o de sua mulher; esta era sensata e formosa, porém o homem era duro e maligno em todo o seu trato”. (1 Samuel 25:3)

“...Ele é filho de Belial, e não há quem lhe possa falar”. (I Samuel 25:17b)

Quantas esposas estão vivendo num ambiente semelhante a este em que Abigail vivia.  Ouvimos mulheres que estão angustiadas, tristes, frustradas e até mesmo física e emocionalmente doentes porque estão sendo repudiadas, humilhadas, desrespeitadas envergonhadas e as vezes até mesmo espancadas pelo marido. Estão sendo abusadas emocional e físicamente, e já não suportam mais as circunstâncias em que vivem.

Infelizmente, com tristeza, temos visto que isso acontece até mesmo dentro de alguns lares cristãos. Homens que se dizem crentes estão tratando a esposa e filhos dessa forma. O resultado disso, são famílias doentes e filhos feridos que, muitas vezes, crescem e se afastam de Deus por causa das marcas e do mal exemplo deixado por pais que se dizem crentes.

Quero dizer a você mulher, esposa, que está lendo este texto e que se encontra nessa situação, que Deus é fiel e que virá em seu socorro. Seja fiel ao Senhor e Ele lhe mostrará o caminho do livramento. Ele colocará pessoas ao seu lado para ajudá-la. Apesar das circunstâncias, não desista de crer que o Senhor está com você e o socorro virá.

A história de Abigail é rica em lições que podemos aplicar em nossa vida diária como mulher e esposa.

3. Abigail contava com a confiança e o respeito dos seus servos.

Seus servos a admiravam, confiavam nela e a viam como mulher sábia e sensata. Acreditavam que ela seria capaz até mesmo de encontrar uma solução para resolver uma situação grave como a que estavam enfrentando.

“Agora pois considera e vê o que hás de fazer porque já o mal está de fato, determinado contra o nosso senhor e contra toda a sua casa...” (I Samuel 25:1a)

4. Abigail era uma mulher que tinha discernimento e iniciativa.

Uma mulher que teme ao Senhor e confia Nele apesar das circunstâncias, sempre receberá do céu o discernimento da melhor decisão à ser tomada nos momentos mais difíceis da vida.

“Então, Abigail tomou, a toda pressa, duzentos pães, dois odres de vinho, cinco ovelhas preparadas, cinco medidas de trigo tostado, cem cachos de passas e duzentas pastas de figos, e os pôs sobre jumentos”. (I Samuel 25:18)

5. Abigail era uma mulher sábia e prudente.

“E disse aos seus moços: ide adiante de mim, pois vos seguirei de perto. Porém nada disse ela a seu marido Nabal.” (I Samuel 25:19)

Antes de falar sobre o que esse verso nos ensina, vou falar sobre o que ele não nos ensina:

Ele não nos ensina a ocultar a verdade do nosso cônjuge.

Abigail, numa situação específica viu que não seria sábio e prudente que o seu marido soubesse o que estava para fazer, já que conhecendo o seu caráter e temperamento, ele por certo não permitiria e isso traria danos terríveis a sua casa e a muitas outras pessoas inocentes. Havia um propósito da parte de Deus de livrar da morte um grande número de pessoas, bem como de livrar Davi e seus homens de derramarem sangue inocente. (I Samuel 25: 26, 33, 34)

6. Abigail era uma mulher altruísta e pacificadora.

Quando Abigail soube que o seu marido havia criado um grave problema e que havia colocado em risco de vida não apenas a sua casa mas também aos seus servos, ela imediatamente lançou mão de todos os recursos que possuía afim de tentar solucionar o problema. E se a questão era saciar a fome e a sêde daqueles 400 homens, ela fez tudo o que estava ao seu alcance para levar o quanto pode de comida e bebida. O verso 18 nos mostra isso claramente.

Além do exemplo de Abigail, a Palavra de Deus ainda nos ensina como devemos reagir diante de situações de conflito como essa.

“Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem.” (Mateus 5:44)

7. Abigail era uma mulher humilde e temente a Deus.

Para enfrentarmos as adversidades da vida, além de temermos a Deus, é necessário sermos humildades. Para enfrentarmos um inimigo, muitas vezes a arma mais poderosa que podemos usar é a arma da humildade. Ser humilde, significa estarmos totalmente dependentes de Deus, significa que estamos num determinado momento, em algum lugar e diante de alguma situação, sendo apenas a boca ou os braços ou a própria presença de Deus, que é capaz de neutralizar de maneira instantânea e sobrenatural a fúria, a astúcia e o poder do inimigo.

Você já se viu numa situação como esta, em que você tem a exata sensação de que não é você que está falando ou tomando alguma atitude diante de um determinado quadro de luta espiritual?

Davi e seus homens ficaram tão irados com a resposta de Nabal que um incontrolável sentimento de vingnça tomou conta do coração dele e de todo o seu exército.

Nem mesmo quando era perseguido injustamente por Saul, Davi havia experimentado este tipo de sentimento, pelo contrário, Davi reconhecia que o seu vingador era o Senhor e dependia Dele totalmente. Davi conhecia muito bem o caráter de Deus, e o seu coração sempre esteve firmado na lei que ensinava a prática da justiça e condenava a vingança.

“Não te vingarás, nem guardarás ira contra os filhos do teu povo; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o SENHOR.” (Levíticos 19:18)

Em meio a dureza do coração de Nabal e a ira e rancor de Davi, lá estava Abigail, o instrumento de Deus humilde e totalmente dependente do favor do todo poderoso.

“Vendo, pois, Abigail a Davi, apressou-se, desceu do jumento e prostrou-se sobre o rosto diante de Davi, inclinando-se até à terra. Lançou-se-lhe aos pés...” (I Samuel 25:23,24)

Quando assumimos uma postura de humildade e dependência de Deus em meio as lutas da vida, o poder do inferno é anulado e o Senhor é exaltado. Aleluia!

8. Abigail era uma mulher sensata, discreta e que sabia usar bem a sua língua.

A palavra diz que Abigail desceu do jumento e prostrou-se antes de falar à Davi. Ela estava absolutamente consciente da gravidade da situação e sabia que o seu marido era responsável por seus atos. Ela não tentou colocar “panos quentes”, não justificou o seu marido, no entanto, sendo totalmente inocente, apressou-se em reconhecer o seu erro e a pedir perdão, dispondo-se até mesmo a sofrer o dano, se necessário fosse.

“...Ah! Senhor meu, caia a culpa sobre mim; permite falar a tua serva contigo e ouve as palavras da tua serva. Não se importe o meu Senhor com este homem de Belial, a saber com Nabal; porque o que significa o seu nome ele é, Nabal é o seu nome e a loucura está com ele.; eu porém, tua serva, não vi os moços que enviaste”. II Samuel 25: 24,25)

Aqui temos uma grande lição à aprender com Abigail. Quantas de nós, muitas vezes, nos apressamos em acusar e responsabilizar o nosso cônjuge por tudo de ruim e errado que acontece na família. Usamos a nossa língua de maneira ferina e acusadora quando na verdade, sendo uma só alma com ele, poderíamos nos apressar em representá-los diante de Deus, arrependendo-nos e clamando a misericórdia do Senhor por ele e pela nossa casa.

Davi, nessa situação, representa o próprio Senhor, que sendo Santo, precisa imputar a consequência do nosso pecado, no entanto, na sua infinita bondade e misericórdia, é incapaz de rejeitar um pedido de um servo, ou de uma serva, cujo coração está aflito porém, apresenta-se diante dele sem justificar as próprias faltas, antes confessa-as e se mostra disposto a fazer a sua parte e o que for possível para consertar o erro cometido.

O Senhor Jesus nos representou diante do Pai, se fez culpado em nosso lugar e com a sua morte na cruz, pagou pelas nossas faltas. Da mesma forma, como sacerdotes, podemos representar o nosso cônjuge, filhos e família diante de Deus.

“E para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra.” (Apocalipse 5:10)

Da mesma maneira que as palavras duras do seu marido suscitaram a ira de Davi, as palavras brandas e sábias de Abigail evocaram a misericórdia e a compaixão de Davi e promoveram a libertação e a paz.

“A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.” (Provérbios 15:1)

Que o Senhor nos ajude a sermos esposas discretas, sensatas e que sabem usar de modo apropriado a língua.

Abigail é sem dúvida, uma mulher inesquecível! Um exemplo a ser seguido por todas as mulheres.

9. Abigail fez Davi recordar-se do projeto de Deus para ele. Ele era um rei!

Abigal lembra a Davi que ele era o ungido do Senhor que haveria de reinar sobre Israel. Ela fez Davi se lembrar que ele não era uma pessoa comum. Ela era uma mulher bem informada, conhecia a história e conhecia a Palavra de Deus. Ela sabia que Davi tinha uma promessa de Deus na sua vida. Sabia que Deus o levantaria como um rei justo e que a vingança, entre outros prejuízos, traria o mal sobre ele mesmo.

“E há de ser que, usando o Senhor de contigo segundo todo  bem que tem dito a teu respeito e te houver estabelecido príncipe sobre Israel, então meu senhor, não te será por tropesso, nem por pesar ao coração que, sem causa, vieres a derramar...(I Samuel 25:30,31)

Esta atitude de Abigail nos ensina:

1. Que o conhecimento da Palavra pode livrar a nossa vida e família de muitos erros e de suas consequências.

2. Que o conhecimento da Palavra e dos planos de Deus para a nossa vida e família pode nos ajudar a acertarmos o alvo Dele para nós como família.

3. Que o conhecimento da Palavra é fundamental na vida do intercessor e que é uma arma poderosa na sua boca.

“O meu povo está sendo destruído, porque lhe falta o conhecimento. Porquanto rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos.” (Oséias 4:6)

O conhecimento da Palavra de Deus é a nossa arma de guerra. Ela é a nossa espada e o nosso escudo. É a arma de defesa e de ataque que temos que usar contra o inimigo em favor da nossa família.

10. Abigail reivindicou diante de Davi a sua recompensa.

Quando agimos de acordo com a Palavra de Deus e os seus princípios, podemos ir diante Dele reivindicando as suas promessas para a nossa vida e família. Se acertamos o nosso passo de acordo com a Palavra, podemos estar certas de que o Senhor endireitará as nossas veredas. Se desempenharmos o nosso papel de esposa e de mãe conforme os conselhos do Senhor, podemos esperar que ele nos recompensará conforme as nossas obras.

“Quando o SENHOR te houver feito o bem, lembrar-te-ás da tua serva. (I Samuel 25:31b)

Quantas lições até aqui, não é mesmo? Mas se prosseguirmos lendo o texto, e vamos fazê-lo, seremos ainda mais edificadas pela Palavra e pelo exemplo desta mulher inesquecível.

11. Abigail achou graça diante de Davi, ou melhor dizendo, diante de Deus.

“Bendita seja a tua prudência, e bendita sejas tu mesma, que hoje me tolheste de derramar sangue e de que por minha própria mão me vingasse. Porque, tão certo como vive o SENHOR, Deus de Israel, que me impediu de que te fizesse mal, se tu não te apressaras e me não vieras ao meu encontro.” (II Samuel 25:33,34)

Quantas de nós, mulheres, queremos achar graça diante de Deus? Quantas de nós desejamos agradar a Deus afim de que possamos contar com a provisão do céu no tempo da adversidade?

Todas nós reconhecemos que necessitamos dessa graça, porém quantas de nós estamos tão distantes dela, não é mesmo?

Davi reconheceu a grandeza da atitude de Abigail e reconheceu suas virtudes. Ele reconheceu o tremendo livramente que havia recebido da parte de Deus por intermédio dela. Ela não havia apenas livrado a sua casa e a sua própria vida de uma grande tormenta, mas ela havia livrado o próprio Davi de cometer uma terrível injustiça.

Quantas de nós estamos dispostas a pagar o preço por nossa família? Quantas de nós estamos dispostas a sair do nosso comodismo espiritual afim de acharmos graça diante de Deus? Abigail, teve iniciativa, se preparou, se muniu dos recursos que dispunha, pensou numa estratégia e partiu ao encontro da graça.

E nós o que estamos fazendo?

12.  Abigail soube discernir o tempo e a hora de falar com o seu esposo.

“Pela manhã, estando Nabal já livre do vinho, sua mulher lhe deu a entender aquelas coisas; e se amorteceu nele o coração, e ficou ele como pedra.” (II Samuel 25:37)

Quantas vezes temos colocado algumas situações a perder com a nossa precipitação? Quantas vezes nossa impulsividade nos leva a piorar uma situação em vez de melhorá-la? Quantas vezes agimos como mulheres insensatas em vez de agirmos como mulheres prudentes e sábias?

Algumas mulheres passam o dia inteiro acumulando queixas para jogar sobre o marido na hora que ele chega cansado do trabalho. Outras resolvem falar da desobediência dos filhos na hora do jantar. Ainda há as que decidem falar sobre as contas que vencem no dia seguinte na hora de dormir.

Filhas amadas de Deus, precisamos pedir ao Senhor que nos ajude a discernir o momento certo para conversarmos sobre cada assunto com o nosso esposo afim de que Ele possa nos abençoar da maneira como ele deseja.

Abigail não sabia que ela estava diante de uma grande batalha espiritual. Ela também não orou pedindo a Deus que matasse o seu marido. Mas Deus, que sabe todas as coisas, pela obediência de Abigail a socorreu colocando em sua boca palavras que fizeram o inimigo recuar e trouxeram livramento na medida da necessidade.

“Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes”. (Efésios 6:12)

13. Abigail e a sua merecida recompensa final.

Há quem pense que a grande recompensa de Abigail foi a morte do seu marido. Se pensamos assim, estamos vendo o final dessa história sob uma ótica errada.

Até a morte de Nabal, Deus estava apenas colocando UM ponto na história dessa extraordinária mulher e não o ponto final. Muito mais estava por vir.

“Então, ela se levantou, e se inclinou com o rosto em terra, e disse: Eis que a tua serva é criada para lavar os pés aos criados de meu senhor”. (I Samuel 25:41)

Abigail não fazia idéia da recompensa que estava para receber. Ela pediu a Davi que poupasse a sua vida e a de muitos inocentes. Foi o único favor que ela pediu como recompensa pela sua atitude. Ela não considerou qualquer uma das suas necessidades pessoais quando se prostrou diante de Davi. Por isso mesmo, por oferecer muito e pedir pouco, recebeu uma recompensa inesperada. Ela tornou-se, nada mais, nada menos, do que a esposa do rei. Quando Davi assumiu a sua posição como rei de Israel, ele lembrou-se de Abigail e mandou buscá-la para ser sua esposa. Quem se esqueceria de uma mulher como esta?

Como dissemos anteriormente, Davi, é uma figura do próprio Senhor que exalta os que se humilham, que honra os que o honram, que dá muito além da necessidade e vai muito além do ordinário.

Cada uma de nós tem diferentes necessidades e enfrenta lutas em alguma área como: mulher, esposa, crente, filha, profissional, líder, mãe etc.

O que essa mulher tinha de tão especial, que a capacitava a viver ao lado de um homem tão ruim e malígno?

1. A prioridade de Abigail era o grande diferencial da sua vida! Abigail priorizava o Senhor e isso era o que precisamente lhe concedia força diária para se submeter as autoridades que Deus havia estabelecido sobre ela independente de que fossem boas ou más: marido, governantes, pais, patrões etc.

Sozinhas não conseguiremos, mas com o Senhor podemos todas as coisas, e no original grego TUDO, significa TUDO mesmo, e isso inclui especialmente as adversidades da vida, porque o Senhor, o Deus Forte, é que me fortalece.

“Tudo posso naquele que me fortalece”. (Filipenses 4:13)

2. O Espírito Santo está conosco, ele nos dará forças para enfrentarmos toda e qualquer dificuldade.

Mas precisamos ter essa atitude de humildade, de intercessoras, de mulheres sábias, virtuosas, para estarmos na brecha por nossa casa, esposo, filhos , família, ministério etc.

Como já disse, a Bíblia nos assegura que se nós nos humilharmos diante do Senhor e nos sujeitarmos a Ele, e isso quer dizer, se formos fieis e obedientes a sua Palavra, os milagres que estamos esperando que aconteçam em nossa vida vão acontecer.

Abigail, essa mulher inesquecível, viu o sobrenatural de Deus acontecer na sua vida porque se prostrou diante do Senhor.

Você deseja ser como Abigail? Então, prostre-se diante do Senhor.


Pra. Kenia Arruda





Fazer um comentário